Cornélio Pires

 

Nasceu na cidade de Tietê/SP, no dia 13 de julho de 1884. Homem de personalidade ímpar popularizou-se em todo o Brasil, graças às constantes viagens que realizava, apresentando peças de humor caipira. Trabalhou na redação do jornal O Comércio de São Paulo, O São Paulo, O Estado de São Paulo e O Pirralho. Bastante admirado e incentivado por escritores e jornalistas, Cornélio Pires escreveu diversos livros, saudados pela crítica graças ao seu conteúdo tipicamente brasileiro. Frequentou a Igreja Presbiteriana, mas não conseguiu conciliar os ensinamentos dessa religião com o seu modo de pensar. Ele não admitia a existência das penas eternas e de um Deus que desse a preferência aos seguidores de determinadas religiões em detrimento de outras. Embora sem conhecer o Espiritismo, ele vivenciou vários fenômenos mediúnicos, inclusive algumas comunicações com o Espírito Emílio de Menezes. Passou a estudar as obras espíritas e tornou-se um grande divulgador da Doutrina. Nos anos de 1944 à 1947, escreveu os livros espíritas "Coisas do Outro Mundo" e "Onde estás, ó morte?". Desencarnou em 1958, quando escrevia a obra Coletânea Espírita. Depois de desencarnado voltaria a escrever, por intermédio da psicografia de Chico Xavier. Quase no fim da vida física, Cornélio Pires voltou para a cidade natal, onde comprou uma chácara, com o objetivo de fundar a Granja de Jesus, lar destinado a crianças, porém não chegou a ver a obra concluída.

OBRAS: